5 de fev de 2009

Entrevista do Corey Taylor para a Metromix de Des Moines



"All Hope Is Gone" (Toda a Esperança de Foi) atingiu o topo da Billboard ao mesmo tempo que a campanha presidencial de Barack Obama trazia à tona novamente a palavra "Esperança".A ironia não foi perdida pelo vocalista Corey Taylor. Armado com um rico conhecimento em geopolítica, música e tecnologia, ele não é apenas um idiota mascarado. E mais, é um pai dedicado, cidadão orgulhoso de Des Moines e porta-voz de uma nova geração de metaleiros inteligentes.Antes de entrar na turnê de 2009, Corey conversou com a Metromix sobre a importância de estar perto de casa, a ambiguidade da esperança, e trazer de volta um espetáculo (e perspectiva) para o rock 'n' roll.


Diferente de outras bandas de sucesso do Centro-Oeste, vocês permaneceram por aqui.


Nossa, cara, aqui é o meu lar. Eu estive no mundo inteiro e tenho uma residência em Los Angeles, mas aqui é o meu lar. Iowa me deu um trabalho ético que eu nunca desisti, e essa cidade cresceu assim como nós. É um sentimento bom. E nós queríamos gravar em Iowa desde o começo, desde que fizemos o álbum "Iowa". Por sorte nós conhecemos um amigo com um estúdio na cidade, e com isso pudemos dar uma descansada, ficar com nossas famílias e fazer um álbum, e é por isso que eu acho que "All Hope Is Gone" soa tão bem. Nós não tivemos que nos separar de nossas famílias.


"All Hope Is Gone" atingiu o primeiro lugar enquanto Obama assumiu o cargo com um programa de... esperança. Por favor explique.


O título sempre significou algo mais positivo do que negativo. Uma coisa que eu notei nos último oito anos de Bush, é que as pessoas tem um tipo específico de esperança, mas a esperança deveria ser um sentimento que envolve tudo. Deveria ser vital, porque isso instiga a todos nós, mas as pessoas desenvolveram uma esperança egoísta, preocupando-se mais com elas mesmas do que com o que seria bom para todos nós.


Como essa crise afeta seu trabalho?


Eu vejo isso como alguém que depende do público, que se preocupa com a venda de ingressos, mas também com meus amigos. A mudança na indústria já está vindo há muito tempo. Muita culpa disso é associada à Internet, mas esse ponto é óbvio: as pessoas fazem download porque não querem gastar dinheiro com porcaria. Você pode colocar um CD pra tocar e em 30 segundos dizer se é uma bosta. As pessoas fazem download porque não querem correr o risco, o que torna isso difícil pra mim e para a banda, porque nós não lançamos um álbum em uma semana e partimos pra outra. Mas eu não estou resmungando; tudo o que eu tenho é o que eu conquistei. Eu não tenho uma mansão e um monte de dinheiro, mas eu cuido da minha família e dos meus amigos. E eu sempre posso fazer música na minha cozinha.


Sempre tem o Garageband.


O Garageband salvou minha sanidade. Eu escrevo muitas músicas, mas você só pode ir ao estúdio com frequência. No momento estamos remodelando nosso novo estúdio, o qual será o melhor de Des Moines. Eu vou levar bandas e criar uma gravadora autônoma. Estúdios levam eras para serem preparados, mas Garageband é imediato. É bem divertido; Eu descobri diversas formas de compôr, porque eu já esqueci mais músicas do que eu escrevi.


O Slipknot foi muito criticado por ser tão teatral, mas o rock sempre foi ligado ao espetáculo.


O rock costumava ser um evento. Costumava ser algo que prendia a respiração das pessoas. Costumava ser algo que você vivia, mas hoje em dia, a maioria assenta rapidamente. Como essas bandas fúteis que eu ouço, que dizem ser punks. Eu digo, "Beleza, nós precisamos conversar." Tornou-se uma missão pra mim tocar Ramones, Dead Kennedys, Buzzcocks, Clash, entre outras bandas para o máximo de adolescentes possível, pra mostrar para eles de onde o punk realmente surgiu. Acho que a indústria sabe que os jovens não estão por dentro da história da música, então eles excluem essas bandas na cara de pau. Quem vai pesquisar? Então isso é uma missão pra mim agora, mostrar essa história para o máximo de pessoas possível. As pessoas deveríam saber de onde suas músicas surgiram.Fonte: Metromix

Nenhum comentário: