16 de fev de 2008

Mick Thomson



Mick Thomson: "Estive fora por um tempo. Tenho certeza que sentiram saudades. Ou alguma coisa. Ou não.Estou aqui para confirmar o que, até então, seria uma merda de boato que dizia que o Slipknot participaria da Mayhem Tour; e dizer que estamos começando a gravar o novo material em algumas semanas. Temos nos reunido para escrever algumas coisas e entraremos em estúdio em algum dos últimos dias do mês de Março.Independente da finalização do novo CD, vamos voltar à estrada em meados de 2008 para tocar na maior parte dos nossos próximos 2 anos.Novo show, nova setlist, novos visuais, novas expectativas. Nós não nos repetimos como artistas e sabemos que os fãs não querem isso também."Lembrando que o Slipknot está programado para entrar em estúdio em Março com o produtor Dave Fortman, que trabalhou anteriormente com Mudvayne e Evanescence. A expectativa é que o album seja lançado em Agosto de 2008.O Slipknot e o Disturbed encabeçarão a primeira leva do festival Rockstar Energy Mayhem, marcado para começar dia 9 de Julho, no Anfiteatro White River em Seattle, EUA. Junto com o Slipknot e o Disturbed no palco principal, as bandas Dragonforce e Mastodon confirmaram presença. Além disso, a turnê conta com dois palcos secundários: um patrocinado pela Jägermeister, com as bandas Sevendust, Airbourne, Five Finger Death Punch, 36 Crazyfists e a banda vencedora da Batalha de Bandas Jägermeister. O palco secundário adicional conta com Machine Head, Black Tide, Suicide Silence, The Red Chord e Walls Of Jericho.

Guitarra do Jim Root




A Fender tem uma linha de guitarras criadas e inspiradas em artistas do mundo da música.Em 2007, foi lançada a Jim Root Artist Series Telecaster, guitarra personalizada para as performances de Jim.O guitarrista do Slipknot e do Stone Sour utiliza a guitarra feita especialmente para ele desde então e, ultimamente a tem usado nas gravações do novo CD da banda de Iowa.Agora, o modelo da guitarra usada pelo guitarrista do Slipknot James Root está sendo vendida em lojas de todo os EUA. Clicando aqui você pode encontrar informações sobre a guitarra do Jim.E aqui você pode assistir um vídeo do Jim falando sobre sua guitarra. (link do youtube)

7 de fev de 2008


Ainda falandu sobre bandas Paralelas:
Outro membro do grupo que lançou um projeto muito interessante foi o baterista do Slipknot,Joey Jordison.Um projeto punk,intitulado Murderdolls. Para assumir os vocais ele convidou nada menos que um sujeito chamado Wednesday 13,o vocalista do Frankenstein Drag Queen.Um dos poucos seguidores da tradição de se unir histórias de terror ao rock pesado.Naquela linha seguida por nomes como Alice Cooper e Rob Zombie. Só que o Murderdolls ficou temporariamente parado, já que Jordison ficou um tempo se dedicando exclusivamente ao Slipknot. Sendo assim,não restou a Wednesday 13 outra opção a não ser lançar um disco solo,o fabuloso "Transylvania 90210." O álbum "Transylvania 90210" lembra muito o trabalho do Murderdolls,com a resalva de trazer músicas um pouco mais pesadas. Ele pode ser considerado um "disco de terror" e é inteiramente baseado em filmes clássicos como , O Massacre da Serra Elétrica ou ,A Noite dos Mortos Vivos de 1968.O vocalista declarou a imprensa americana que não se importa que seu jovem públic0 cultue fimes como 'Panico' ou outros exemplares do gênero."Eu era garoto quando Sexta-Feira 13 e Hora do Pesadelo foram lançados.Só depois vim a conhecer filmes clássicos.",disse Wednesday 13.Enfim se vc é Maggot vale a pena escutar Muderdolls.
Murderdolls traduzindo do inglês para o português significa : Bonecos Assassinos.



Curiosidades sobre o Stone Sour
*Stone Sour é uma bebida,um coquetel feito com uma parte de uísque ,um pouco de suco de laranja e uma mistura ácida ;foi Joel que achou esse nome em um cardápio ,quando estava procurando um nome para a Banda.
*Corey e Josh se conheceram aos 16 anos,quando Josh começou a tocar guitarra,apesar de já saber tocar baixo e bateria;é por isso que ele é um dos principais compositores da banda.
*Como o STONE SOUR vem antes do Slipknot ,os outros membros da banda ficaram surpresos ao ouvir as músicas ,porque Corey nunca tinha gritado antes de entrar no Slipknot.
*Josh dedicou o Álbum do Stone Sour á avó dele,porque ela sempre ajudou-o muito e deu a motivação que ele precisava para fazer o que ele queria,além de sempre oferecer sua casa para os ensaios da banda. A avó do Corey também foi vítima dos ensaios de porão.
*Shawn Economaki também trabalha com 0 SLIPKNOT ;ele é assistente de palco.
* Quando Corey foi procurar o Joel para reformar a Banda (Stone Sour)em 2001,eles tiveram que correr atrás do velho kit de bateria dele porque ele já tinha desistido de formar bandas que não iam para frente e estava prestes a desistir da música.
*Josh dis que as duas maiores influências da Banda são: Alice in Chains e Metallica.



O Guitarrista Jim Root ,em entrevista ao Jornal Calgary Herald,afirmou que: entre as bandas Stone Sour e Slipknot das quais faz parte ele sente que a primeira é sua preferida."Me sinto mais confortável e tranqüilo perto dos integrantes da Stone Sour .Somos mais amigos e mais pessoalmente próximos e isso torna nossa vida mais fácil. Não é que eu esteja tentando diminuir o Slipknot.",afirmou Root .
Segundo ele,a energia no Slipknot é intensa,mas a banda se move por meio de dor e ansiedade."Eu não acho que teríamos essa química se todos no Slipknot ficassem tranqüilos como fico no Stone Sour."
Na entrevista ele ainda relembrou o dia em que as bandas fizeram uma "batalha",da qual o Slipknot saiu vencedor."Acho que as duas bandas têm o mesmo número de fãs. O lance é que os fãs do Slipknot tratam a Banda como uma cultura",conclui.


Bom agora que já falei um pouco do SlipknoT gostaria de lhes dizer que qualquer duvida sobre a Banda que vcs tiverem é só deixar um comentário que eu lhes responderei o mais rápido possível!
Bom agora falando um pouco sobre as bandas Paralelas
Stone Sour:
A banda foi formada originalmente em 1992 por Corey Taylor (vocalista) e o baterista Joel Elkman.Logo em seguida o amigo de longa data de Corey,Shawn Economaki(baixista),se une ao grupo e começam a tocar em vários lugares.Nessa época trocavam de guitarristas como se troca de camisa,ou seja,cada apresentação era um novo integrante ,quando finalmente em 95 James Root(guitarrista)também se une a Banda.
Em 97 Corey da um tempo coma banda e começa a se dedicar mais ao Slipknot deixando o grupo um pouco de lado.
Já em 2000 um outro amigo de Corey,o Guitarrista Josh Rand,aproximou-se da banda com algumas músicas que ele estava trabalhando, e juntos eles não demorariam mais que um ano para que o Álbum "Stone Sour" fosse lançado.
A música de trabalho ,"Bother",que também fez parte da trilha sonora do Homem-Aranha impulsionou o Álbume daí para uma turnê de 6 meses.
Em 2005 Joel deixa a banda e em seu lugar ,entra Roy Mayorga,(ex-soulfly)para assumir as baquetas e com ele vem o novo Álbum "Come What(Ever ) May" um sucesso de vendas.


Este mês, a revista gringa Hit Parader elegeu o top 100 das melhores bandas ao vivo de todos os tempos. A lista saiu em uma edição especial entitulada 'Hard Rock's All-Time Top 100 Live Bands'. Veja a lista abaixo, que inclui Stone Sour e Slipknot. O já extinto Murderdolls também foi mencionado:
91. Skid Row
90. Murderdolls
89. Black Label Society
***
80. Soudgarden
79. Stone Sour
78. AFI
***
20. Stone Temple Pilots
19. Scorpions
18. Slayer
17. Korn
16. Jimi Hendrix
15. Alice In Chains
14. Alice Cooper
13. Aerosmith
12. Black Sabbath
11. Judas Priest
10. Marilyn Manson
09. Motley Crue
08. Metallica
07. AC/DC
06. Slipknot
05. Queen
04. Led Zepplin
03. Guns 'n' Roses
02. Van Halen
01. KISS

Fraturas e Machucados

Sid Wilson
1. Queimaduras de 3º grau por botar fogo em si mesmo.
2. Duas costelas quebradas por se jogar da grade de proteção de um show em IOWA.
3. Cortes e hematomas por brigas com Shawn no meio do show.

Joey Jordison
1. Graves cortes em sua canela por puxar a bateria para cima dele mesmo.
2. Punhos quebrados e arranhados (Principalmente por socar as coisas).
3. Concussões e pontos graças a um prato de bateria voador (Lançado por Shawn).

Paul Gray
1. Cortes e hematomas por vários acidentes.
2. Um fã jogou uma garrafa nele enquanto tocava, que acertou a parte de trás de sua cabeça e o deixou com alguns hematomas.

Chris Fehn
1. Teve a canela engessada uma vez por chutar a percussão.
2. Hematomas e cortes.
3. Várias dores no pescoço por balançar excessivamente a cabeça.

James Root
1. Cortes e hematomas de vários acidentes.

Craig Jones
1. Quebrou o dedão do pé. (Esmagado debaixo da percussão de Shawn).
2. Torcicolos por ficar balançando a cabeça.

Shawn Crahan
1. Uma coleção de hematomas, ossos quebrados e cicatrizes por brigar com os outros integrantes da banda.
2. Várias vértebras quebradas.
3. Costelas quebradas.
4. Punhos quebrados por socar qualquer merda em sua frente, como sua percussão, fãs, integrantes da banda e todas as coisas que estão em sua volta.
5. 2 cortes na testa que resultaram num total de 39 pontos por bater sua cabeça na percussão.
6. Vários cortes na cabeça.
7. Um ombro deslocado por se arremessar contra a percussão.
8. Rachou a clavícula.
9. Concussões por bater a cabeça na percussão.
10. Vários locais com pele em degeneração.
11. Machucou a pélvis por falhar nas suas inúmeras tentativas de salto mortal.
12. Foi atacado por seguranças (Ele estava andando com um carrinho de golfe perto dos ônibus de turismo e o segurança não sabia que ele era o Shawn então revidou).

Mick Thomson
1. Graves problemas de coluna causados pela forma que ele toca guitarra.

Corey Taylor
1. Perda de pelos e retalhos causados por queimaduras na perna.
2. Vários cortes e hematomas.

PROJETOS PARALELOS














Stone Sour
Ano: 1994-1997/2000-Dias atuais



Status: Em turnê
Corey Taylor - Vocais



James Root - Guitarra



Josh Rand - Guitarra



Shawn Economaki - Baixo



Roy Mayorga - Bateria





































Dirty Little Rabbits
Ano: 2007Status: Em turnê
M. Shawn Crahan - Bateria

Michael Pfaff - Hammond

M-3 & Juno-6Ty

Fyhrie - Guitarra

Jeff Karnowski - Baixo

Stella Katsoudas - Vocais


















Sid Wilson - DJ Starscream (Projeto solo)


DJ StarScream
Ano: 1994-Dias atuaisStatus: Ativo
















To My Surprise
Ano: 2002-2006Status: Atividades encerradas
Dorothy Hecht - Vocal principal

Jarrod Brom - Guitarra

Paul Thompson - Guitarra e vocais

Wade Thompson - Baixo e vocais

M. Shawn Crahan - Bateria e vocais

Stevan Robinson - Guitarra e vocais






Murderdolls
Ano: 2002-2004Status: Atividades encerradas
Wednesday 13 - Vocais

Joey Jordison - Guitarra

Acey Slade - Guitarra

Eric Griffin - Baixo

Ben Graves - Bateria


Curiosidades

- Mick quebrou sua guitarra durante a gravação do Iowa.
- O Slipknot comprou os direitos dos números: 742671000027
- Os antigos dreads da máscara de Corey era do seu próprio cabelo, porém, ele decidiu substituir por cordas.
- "Snap" é uma música rara do Slipknot, e foi gravada em uma fita cassete. Era uma gravação demo, para mandar para as gravadoras. Ela foi gravada em 1996.
- "Carve" era uma música do Slipknot de fundo do www.slipknot2.com, estava entre 1999 e o começo de 2000. "Carve" é um dos demos que o Slipknot nunca lançou. No vocal estavam Corey e Anders, Craig no sintetizador, Josh na guitarra, Joey na bateria, Paul no baixo e Shawn na percussão.
- O sampler que Craig utilizou para a intro do álbum "Slipknot" (742671000027), foi tirado de um documentário sobre Charles Manson.
- Quando saiu o CD "Iowa", Corey foi até uma tenda para comprar.
- Joey quebrou 5 pares de baquetas durante a gravação de "People=Shit".
- A foto da frente do álbum "Slipknot" foi tirada na garagem dos pais de Shawn.
- A banda fez seus primeiros shows no "Safári Club" ao lado de uma Igreja chamada "Mundo de Cristo".
- O primeiro álbum oficial da banda, "Slipknot" vendeu cerca de 40.000 cópias logo em sua primeira semana de lançamento, talvez porque o Slipknot tenha sido chamado para tocar no OzzFest 2000.
- O Slipknot dedicou o álbum a um amigo de Paul e Corey, que tinha morrido no mesmo ano do lançamento do disco.
- Antes de entrar nos shows, Shawn vomitava com Joey.
- O Slipknot tocou uma vez com o nome "Meld" antes de muda-lo.
- Nos primeiros shows, apenas Shawn e Anders usavam máscaras, apesar que Joey nega: "Não era apenas eles que usavam máscaras, e sim todos nós."
- Quando ensaiavam na casa de Anders, não havia lugar para Craig entrar na sala, então ele tocava na lavanderia. As paredes da sala eram cobertas por tapetes.
- Durante a gravação do primeiro disco, Joey gravou uma música totalmente nu.
- O produtor Sean McMahon foi a um ensaio do grupo antes de lançarem seu primeiro disco, e ele achou parecido com Sepultura.
- O vídeo "Duality" custou cerca de meio milhão de dólares.

Aniversários

Craig Jones - 11 de Fevereiro de 1972
Chris Fehn - 24 de Fevereiro de 1972
Sid Wilson - 15 de Março de 1978
Paul Gray - 8 de Abril 1972
Joey Jordison - 26 de Abril de 1975
Shawn Crahan - 24 de Setembro 1971
James Root - 2 de Outubro de 1974
Mick Thomson - 3 de Novembro de 1976
Corey Taylor - 8 de Dezembro 1973

5 de fev de 2008

Gente eu postei algumas coisas velhas ,mas elas são essenciais para um Maggot d vdd! Maggot q é Maggot sabe quase td do Slipknot!

Entrevista com Jim






Jim responde perguntas de fãs ingleses
A Roadrunner Records, recentemente fez uma pesquisa com os fãs ingleses para promover perguntas para o guitarrista do SlipKnoT/Stone Sour, James Root. As perguntas escolhidas são as seguintes:
1 – Cara, como é que vocês aparecem com uma música chamada '30/30-150'? O que isso quer dizer?
Jim: '30/30-150' foi escrita por Josh e Corey. Josh escreveu a música e Coreu escreveu a letra e a melodia do vocal. Nós da banda pegamos e acrescentamos nosso tempero após ouvir a demo. Se você ler a letra, irá achar um signigicado para esse nome.
2 – Eu só li algumas letras do novo álbum, elas são bem fortes. Qual a sua música favorita do novo álbum e porque?
Jim: Eu gosto da 'Cardiff'. Eu não sei se é minha música favorita, mas eu gosto da melancolia dela. Esse álbum está muito forte, eu tenho diferentes músicas favoritas nele.
3 – Olha aí Jim, é a sua vez no Karaokê. O que você canta?
Jim: 'Beware the Darkness' do Gerorge Harrison.
4 – Jim, o que você espera que aconteça com o Stone Sour esse ano?
Jim: Eu espero que possamos fazer turnês em lugares que ainda não fizemos, como Japão, Austrália, México e toda América do Sul. Um disco de platina iria cair muito bem.
5 – Como que o Stone Sour se reuniu? Vocês sentiam falta de um projeto paralelo para espressar suas diferentes idéias musicais?
Jim: Isso aconteceu um pouco acidentalmente. Nós nem sequer nos conheciamos antes do Stone Sour. Espressar as idéias musicalmente é somente uma fração do porquê eu preciso do Stone Sour.
6 – O quanto mais Corey Taylor pode agüentar?
Jim: Ele está bem... Em pequenas doses!
7 – O restante das música é parecido com '30/30-150'? Como você descreve o álbum por completo?
Jim: Não. É um álbum muito elétrico, quase bipolar. Isso é o que acontece quando se tem muitos compositores em uma só banda. Eu posso descrevê-lo como um "objetivo".
8 – Ei Jim, eu sou um guitarrista enxertador e tenho guardado um dinheiro para comprar um novo equipamento. Você pode me recomendar um equipamento que seja simples? Ie, guitarra, amplificador, pedais. Eu acho BTW, você só usa essa porra!!
Jim: Criaremos um simples, mas não que seja inferior. Pegue um Half-Stack de sua escolha e começe a tocar com diferentes amplificadores e cabos. Ache o tom que você deseja com o amp, tubes – ec34 – 6c6gc. Kt88. Encontre um amp e use uma seção de pré-amplificador para poder progredir. Se você estiver tocando metal o canal 2 do amp será o melhor, daí ficará mais flexíveis. E efeitos com os pedais são uma coisa completamente diferentes. O céu é o limite.
9 – Eu tenho certeza que você odeia essas perguntas, mas em qual banda você prefere tocar? Stone Sour ou SlipKnoT?
Jim: Eu não posso responder isso. Quer dizer... eu não tenho essa resposta, elas são tão diferentes.
10 – De quem são suas maiores influências em ordem crescente e o porque que você toca esse tipo de música?
Jim: Eu sou fã de David Gilmore (Pink Floyd) e tendo a permanecer pelo primeiro estilo que chamou minha atenção. Meus Pais eram muito ligados à música, então eu tenho todo o tipo de vinil guardados: Sabbath, Zeppelin, Beatles, Ten Years After, Fleetwod Mac, Heart, Pink Floyd, The Who, The Doors. Essas são as bandas que eu tenho escutado desde que era bem novo.

Entrevista com Corey


Entrevista de Corey Taylor ao MTV Today
Foi postado nas notícias do MTV Today, que se não fosse pela esposa de Corey Taylor, Scarlett, nunca haveria este segundo album do Stone Sour.
Ela não exatamente incentivou o “frontman” do slipknot a retornar ao estúdio com esse projeto paralelo, ela queria impedir que o mesmo fosse feito antes que as gravações fossem feitas.
“Eu tentei pular da varanda do oitavo andar de um hotel no Sunset [Boulevard] em 14 de novembro de 2003,” Taylor explica. “De fato, ela me parou. Não era a primeira vez que tentei me matar. Já foram varias.” Voltando então, Corey Taylor é um alcólatra completo. Bebeu desde o momento que acordou até quando foi dormir. E Quando disse que o alcool não distorceu suas habilidades para escrever, tocar, e para compor, quase destruiu por completo sua vida naquele momento.
"Eu sumia por longos períodos sem me preocupar com minha própria segurança ou de qualquer outra pessoa," disse ele. "Eu nem mesmo sabia onde estava quando acordava. Eu não me importava comigo mesmo, com minha família, com nada. Eu só lembrava de estar em um bar e depois, mais nada." Após a tentativa de suicídio de Corey, sua esposa lhe deu o ultimato: Ou ele se dedica mais aos dois filhos e a família em si, ou ela pegaria os dois filhos e iria embora. Claro, não foi a primeira vez que Scarlett faria uma ameaça desse gênero, mas desta vez, Taylor viu a importância e o significado, e com isso, pela primeira vez talvez, sentiu que teria que mudar algo em sua vida. “Eu dei uma boa olhada no espelho, e odiei aquilo que vi” disse Corey. “Eu estava inchado, como lixo. Não parecia eu. E Foi então, eu não bebo uma gota desde então.” O novo álbum do Stone Sour, 'Come What(ever) May', que sai em agosto, gira em torno das lembranças dos dias de bebedeira de Taylor e das confissões sobre a árdua estrada da recuperação. Em 'Socio', ele canta: "Fear is in my heart / Just when I stop, it starts / And I can never live this way" ("O medo está em meu coração / Quando eu paro, ele começa / E eu não posso viver assim"). E na levada de piano de 'Zzyzx Rd', ele sussurra baixinho: "I'm falling asleep and I can't see straight / My muscles feel like a melee, body is curled in a U-shape"
"O primeiro ano que passei sóbrio foi o pior ano da minha vida, Meu sistema imunológico estava embriagado. Eu me isolei completamente. Durante todo o tempo me sentia fraco. Eu estava perdido. Algumas vezes você se define pelos seus vícios, e eu era conhecido como um cara festivo. Eu era o cara que estava sempre para sair e tomar umas. E de repente, eu vi quem eu era sem a bebida, e isso exigiu um longo tempo. Eu era um merda egoísta, um cara frio." Apenas depois que Taylor parou de lamentar a perda de sua antiga vida que ele percebeu que estar sóbrio não lhe trazia nenhuma limitação criativa. Repentinamente, ele se sentiu mais vivo, mais motivado e bem menos cínico. "Eu percebi que estava mais interessado em fazer coisas boas do que más," disse ele. "Estava mais interessado em ajudar as pessoas. E isso foi um grande passo. Todos os dias eu me tornava mais forte e, infelizmente, mais verdadeiro. Eu decidi que estava cansado de bancar o palhaço." Enquanto o disco “self-titled” de estréia do Stone Sour, de 2002, era pesado, o novo é muito mais melódico. Os vocais são na maior parte sussurrados e os refrôes são preenchidos com influências de classic rock sobre uma moldura rítmica que lembra bandas como Soundgarden, Helmet e Aerosmith.
"Eu adoro o primeiro disco," disse Taylor. "Foi um grande passo paralelo do Slipknot e o motivo que criamos o Stone Sour. Cada canção é diferente e ainda assim tem uma continuidade. Hoje, muitos soam como cópias de um único hit, e nós optamos pela diversidade. Não tem nada dizendo que você não possa ter canções diferentes e continuar sendo a mesma banda, mas a maioria das pessoas parecem frangos ao falar no assunto, e até a fazer isso."
O primeiro single, '30/30-150', que traz a bateria de Shannon Larkin (Godsmack), é uma das canções mais pesadas do novo album. A letra é uma tem noçoes corrosivas e pesadas, e o refrão é forte. Acaba por conduzir os fãs do Slipknot para o mundo menos turbulento do Stone Sour. "É sobre nunca esquecer de onde você veio, que você é e porque você faz o que faz. Todos tem uma razão pelo que fazem na vida, especialmente se você ama o que faz. Então, essa canção é sobre o cimento que pavimenta essas crenças." Além disso, 'Come What(ever) May' está mais acessível. Para cada riff thrash existente há uma passagem com estilos de grunge harmônico, para cada linha de guitarra mais aguda existe um riff para o gosto das rádios. Para ajudar a dar o brilho comercial no álbum, o Stone Sour convocou o produtor Nick Raskulinecz (Foo Fighters), que salientou o lado radiofônico da banda sem desajustar seu lado mais pesado. Sendo assim, o Stone Sour não escapará da artilharia dos fãs de Slipknot. “Quer saber mais? Que se foda. No final, acabei me orgulhando pelo feito. A primeira vez que ouvi este álbum depois de mixado eu quase chorei. Foi a primeira vez em muito tempo que a música no disco soou perto da música que eu ouvia em minha cabeça. Este álbum supera o primeiro, e se ninguém quiser ouví-lo, eu ainda o ouvirei, porque é impressionante."







Corey: "nós não olhamos o Stone Sour como projeto paralelo"
O Cantor do Slipknot, Corey Taylor, recentemente foi entrevistado pela AOL Music sobre sua outra banda, Stone Sour, onde eles estão em fase de lançamento do seu segundo album "Come What(ever) May", dia 1º de agosto.
"Nós não olhamos isso como um projeto paralelo". Taylor contou ao AOL Music. "Essa é a nossa atual banda e colocaremos toda nossa energia, muito trabalho e atitude, e eu acho que esse é o motivo que farão as pessoas reconhecer isso. Nós estamos esperando algo que provavelmente nos tomará muito tempo."
O novo album do Stone Sour foi gravado nos estudios 606 no sul da Califórnia, em Janeiro. Aém disso, a banda "recrutou" um novo baterista, Roy Mayorga durante os ensaios. Corey diz que tudo foi controlado de acordo com o novo diretor de gravações da banda Dave Grohl, que trabalhou com Foo Fighters e Nirvana.
Entretanto, Grohl ajudou Corey a tentar passar uma fase que só faria ele perder tempo: "Eu e ele faziamos correntes competições para parar de fumar, o que é legal, porque nós dois fumamos pra caralho!"

Significados das Músicas.



Significados do Slipknot
742617000027Esta música abre o "Slipknot",não podia ter um início melhor,"the whole thing i think is sic.", é a única letra e servia para descrever todo o albúm, completamente sic. Embora haja quem pense que a voz é do Corey a voz foi tirada de um documentário sobre Charles Manson.
(sic)O termo (sic) é algo que os escritores usam quando escrevem algo que sabem que está errado mas eles vão escreve-lo de qualquer forma. Acho que a letra fala por si.
EyelessQuando os Slipknot foram a New York encontraram um mendigo que andava de um lado para o outro a gritar "You can't see California without Marlon Brando's eyes!", essa foi a inspiração para a letra. Fala também do pai do Corey na frase "I am father's son, cause he's a phantom, a mystery, and that leaves me NOTHING!", o pai do Corey desapareceu antes de ele nascer, nunca o conheceu. Já agora como curiosidade o Corey quando era puto viveu em quase 25 estados diferentes antes de fazer 11 anos, por causa disso e pela falta de confiança que ele tinha criou alguns distúrbios mentais, um deles era andar pela rua a cruzar os pés fazendo oitos, e se ele se enganasse voltava para trás e fazia tudo de novo! Outra curiosidade, a "That's all in your head" até onde eu sei é sobre o Corey ter feito um programa de desintoxicação por drogas e lhe repetirem esta frase constantemente, ele achava porque não era aquilo que ele precisava para conseguir se livrar das drogas. Acho que a música é sobre as inseguranças dele.
Wait and BleedÉ sobre um cara que tem repetitivos pesadelos dele mesmo deitado numa banheira cheia de sangue com seus pulsos cortados.... e um dia ele acorda e vê que não era um sonho e sim a realidade, mas ele não quer acreditar, então ele tenta dormir de novo e acordar normalmente, mas basicamente, ele "espera e sangra".
SurfacingA Surfacing é muito evidente; não se foda com nada, nem se deixem julgar por ninguém,j á que tem esse direito, não temos de provar nada a ninguém, nem justificar aquilo que somos. Sigam a vossa vontade,façam o que vos passa pela cabeça sem terem receio porque isso é que vale alguma coisa, a vida é demasiadamente curta e medrosa para vocês perderem tempo com os outros e com o que eles acreditam, dizem de vocês, fodam-se eles todos! Como o Corey costuma dizer este é o nosso "new national anthem." (novo hino nacional). "Fuck it all, fuck this world, fuck everything that you stand for, don't belong, don't exist, don't give a shit, don't ever judge me!", acho que reflete muito bem o que todos sentimos e o que eles nos querem dizer.
Spit It OutA história desta música é sobre um estação de rádio em Des Moines que enquanto a banda não tinha popularidade recusava-se a passar as músicas deles, anos depois o Slipknot fazia parte das bandas regularmente tocadas nessa mesma rádio.
Tattered and TornEsta é uma das músicas mais angustiantes de todo o álbum, fala sobre alguém que se magoa a si próprio, que está muito perto do desespero e que se esconde das coisas ruins.
PurityA letra foi escrita quando Corey viu um site (http://www.crimescene.com/purity/index.html). Aconselho todos a visitarem o site para entenderem melhor; é sobre uma garota com 20 anos de nome Adrianne Purity Knight, que foi raptada supostamente pelo ex-namorado ou por algum homem que criou uma obesessão por ela. Ela foi enterrada viva e acabou por morrer. Apesar desta ser a inspiração da letra cada um pode entende-la à sua forma e não a relacionar com o homicídio, porque na realidade e de uma estranha forma também somos enterrados, presos "i can't get out", todos os dias na nossa realidade. "You all stare but will never see,there's something inside me/There's something in you i despise", por mais que olhem nunca irão conseguir ver ou entender o que temos dentro.
LiberateO Corey aqui fala em "sectioning off himself" e "putting a wall up", como se ele estivesse a tentar proteger e sobreviver. Ele está muito furioso com o que se passa na vida dele, é ele a dizer que se recusa a fazer parte da mentira, da hipocrisia que o circunda "not a part of your lie/i won't play the fit", e ele não precisa de tudo aquilo, que não quer a vida e o medo das pessoas, que se recusa a ser o que seria suposto ele ser, que não está nem aí para o que as pessoas são porque ele nunca será o que elas querem que ele seja.
ProstheticsEsta música é baseada num filme dos anos 60 chamado The Collector, e é sobre um homem que rapta uma garota e "junta-lhe" à sua coleção como se fosse um objeto. Prostethics leva isto mais longe e descreve o que vai na cabeça dele, a vontade de a ter só para ele custe o que custar "You will be mine.Ah,fucking you will be mine!/Keep in mind i watch you.Never leave my side,never leave me,fucker", fala sobre o medo dele e a confusão, porque ele no fundo sabe que o que está a fazer não é certo "I can't beleive i'm doing this/...i knew it was a mistake". No fim ele acaba por matá-la e transando com o cadáver.
No LifeEsta música na minha opinião é sobre o que o Corey pensa de si próprio e as dúvidas que ele tem sobre sobre o que ele é, quando ele diz "This is no Kind of life" talvez seja o desejo dele de mudar o que ele é ou o que a vida dele é. Também fala sobre nós só termos nós próprios, devemos lutar por aquilo que queremos e não ficar à espera que ninguém faça as coisas por nós, que temos que deixar o medo para trás e sermos aquilo que somos.
DilutedPara mim é sobre alguém que é magoada e traída por outros sem parar e não consegue entender porque isso acontece, é como se estivesse num caminho em que só existe dor e por mais que tente não há saída, a pessoa sente-se condenada à tudo à sua volta. Para mim também fala em decepção e sobre nós esperarmos que a pessoa "certa" apareça e isso nunca acontece, todos acabam sempre por decepcioná-la de qualquer forma. Fala em não ter mais esperança, em estar completamente na merda mas continuar a sonhar com coisas melhores, a continuar a preservar uma certa inocência, estar completamente farta de tudo e de todos sem nunca entender, estar exausta de ver a mesma coisa se repetir infinitamente.
Only OneEsta música era MFKR e foi refeita para este álbum, é basicamente uma música sobre brigas, onde a idéia central é a de que somente um sairá vivo ("only one of us walks away!").
ScissorsO Joey escreveu a letra, é uma das músicas e letras mais cheias de sentimento de todo o albúm, especialmente no final da música quando o Corey se deixa levar por uma insanidade total que não deixa ninguém indiferente, as letras extra nem o Corey sabe bem quais são. Acho que é uma das letras mais difíceis de explicar porque é muito pessoal e é toda dita com meias palavras. Penso que a Scissors fala de alguém que se auto-mutilava e consome drogas, que está muito perto do suícidio. Descreve o estado dessa pessoa, acho que fala do fascínio que ele tem sobre isso (não sei se por drogas, por se auto-mutilar, pela morte...),mas a recusa ao mesmo tempo porque tudo aquilo não lhe está a levar a lugar nenhum e é como se ele também estivesse à espera que algo acontecesse "Biding my time until the time is right". Talvez ele estivesse à espera da morte ou de ter coragem para se matar. Fala da dependência do Joey por alguma coisa, algo que ele odeia e ama ao mesmo tempo... Por ser muito pessoal penso que ele quando a escreveu, escreveu-a a pensar em alguém porque parece que a letra é dedicada a alguém, talvez alguém que o queria salvar do estado em que ele está.
Me InsideAcho que esta deve ser uma das letras que mais caracterizam o Corey, fala nos problemas mentais que ele tinha quando era criança, em como a vida é difícil, como a vida na verdade é uma morte vivida, fala em como tudo que está à sua volta lhe deixa maluco, como tudo lhe mete um grande nojo.
Get ThisGet This é uma música que lembra a banda que o Slipknot é e de onde eles vieram. É uma música que mostra que eles sempre tocarão o tipo de música que eles gostam, e nunca irão sacrificá-la por nada. É um tapa na cara para todas as outras bandas do mundo, dizendo "Nós somos o Slipknot, nós não ligamos pra ninguém. Isto é o que somos e isto é o que nós fazemos!".
InterloperEsta música é uma demo de Diluted.
EeyorePor Corey: "Eeyore é apenas sobre um cara filho-da-puta de Des Moines, Iowa. Ele tem um longo cabelo loiro e é um filho-da-puta com todos nos shows. Ele ama a nossa banda mas fode com todos nos shows. A música é sobre eu perdendo a cabeça e acertando as contas com ele".

Significados do 'IOWA'
People=ShitUma das melhores músicas de sempre e nada melhor que o ódio e a verdade nua e crua para começar IOWA. O próprio nome indica o conteúdo da música, um ataque explicito à condição humana que só pode ser descrita como MERDA. A hipocrisia, a ignorância, a intolerância e sobretudo a incompreensão são apenas algumas das características que se tornaram comuns a toda uma raça. No entanto Corey orgulhosamente proclama a sua diferença "I'm everything you'll never be / I'M - NOT - LIKE - YOU" pois ele sempre lutou por aquilo em que acreditava, foi fiel a si próprio e manteve a dignidade; ele envergonha-se de ser chamado de humano pois não passamos de seres desprezíveis e auto-destrutivos que mais cedo ou mais tarde terão um fim doloroso, visto que sentimentos como egoísmo, egocentrismo e orgulho podre são colocados acima de tudo e todos, nós nos tornamos a doença deste planeta e seremos a sua destruição. Ele está insatisfeito e descontente com o que o mundo se tornou, com a suposta vida, completamente VAZIA e sem sentido, eles vivem para morrer. A mensagem principal desta música é que we all = fucking shit e em vez de perdermos tempo em descobrir quem é o melhor, devemos nos unir para criar um novo mundo.Mas, infelizmente a estupidez humana é demasiadamente cega para tal. "C'mon mother fucker, everybody has to die". Especial atenção para o irônico começo da música, "Here we go again, motherfucker", parece que eles anunciam a sua volta a todos aqueles que pensavam que se iriam livrar deles.
DisasterpieceEsta é outra música de pura agressão e ódio contra a incompreensão geral das pessoas e de como se tornaram tão insignificantes e "artificiais", como se tornaram em máquinas que simplesmente fazem barulho, mais uma vez ele diz como elas são nada, como a vida não passa de nada. Ele está muito decepcionado com tudo isto, sem esperança e à procura de respostas; sente-se deslocado, não é suposto ele fazer parte disto, não é suposto ele viver desta forma e no meio de seres como estes. Ele sente-se só, sem motivos para viver, incomodado, fala em sonhos que não se podem tornar reais, está no limite do desespero que o faz encarar a morte como uma saída possível - "I'm gone - goodbye - it's so depressing - Withering away . Take a look - inside - my soul is missing. .All I have is dead, so I'll take you with me. Feel like I'm erased - so kill me just in case" (quando Corey canta estes versos até a sua voz perde a dureza e agressividade para se tornar em pura depressão). Toda a agressão desta música parece ser dirigida diretamente a uma pessoa, ou talvez a todos os que o subjugaram e atacaram.
My PlagueNesta música o Corey ataca claramente aqueles que são "posers" ou "followers". É um aviso explícito para aqueles que se negam, pessoas ocas e vazias, que seguem idéias e formas de ser de outros, que temem ser o que são, pessoas que abdicam da liberdade pessoal e da auto-estima para se inserirem na sociedade. E o pior é que julgam os outros por não serem como elas, pois no fundo invejam a sua coragem e enquanto os julgam e culpam sentem-se melhor. Corey está farto de aturar pessoas destas, o ódio e repugnância que tem por elas origina uma raiva assassina, esta música está recheada de desprezo, mas tem uma mensagem subliminar bastante positiva, por mais lixo que vos digam que vocês são, não tenham medo de o ser, admitam o que são, mostrem o que valem, isso sim é o mais importante. "I'm just a bastard, but at least I admit it .At least I admit it" (uma frase bastante intensa, o "bastard" parece mais uma referência ao facto de Corey nunca ter conhecido o pai). A auto-mutilação devido ao desespero, e neste caso há uma aparente apatia, que está também presente "I'm turning it around like a knife in the shell, I wanna understand why, but I'm hurting myself".
Everything EndsEsta música é sobre uma relação, que o Corey teve, que não terminou da melhor forma. Ele sentia algo muito forte por ela, mas acabou por perceber que tudo aquilo não passava de uma mentira e era completamente falso, um sonho. "I haven't slept since I woke up. And found my whole life was a lie, motherfucker". Essa descoberta e a perda da pessoa fez com que ele se sentisse tão incapaz , perdido e indiferente a si mesmo e à sua própria vida, que o levou a uma tentativa de suicídio da qual ele conseguiu se salvar. "I mark the trails on my arms with your disdain". Ele sente-se traído, usado por alguém que se achou melhor que ele, como se ele tivesse dado tudo de si a alguém, toda a sua confiança e fosse ignorado e desprezado por esse alguém. Claramente é um aviso de alguém que já sentiu as conseqüências na pele da importância exagerada que por vezes é dada ao amor e que a nossa vida não deve depender apenas disso. Tudo tem certamente um fim e devemos sempre nos colocar em primeiro lugar sem depender de nada nem de ninguém, pois quando perdermos o que nos faz viver, as conseqüências podem ser muito graves e prejudiciais. É também uma forma de dizer que medidas extremas não são a melhor saída quando as coisas não correm da melhor maneira.
Heretic AnthemNesta música Corey coloca-se (e o Slipknot) no lado oposto daquilo que as pessoas querem que eles sejam e fazem numa crítica bastante cínica. Eles não serão mais escravos do comercialismo, não serão nada mais que eles próprios, e não irão acatar ordens seja de quem for. Usando a sua comparação ao Diabo em relação ao Homem (666-nº da Besta e 555-nº do Homem), isto é, eles serão completamente o contrário do que o Homem (neste caso a indústria musical e toda a gente em geral) quer que eles sejam. O uso do 666 neste caso não tem relação satanista mas sim é usado como uma metáfora, pois supostamente eles representam o mal e o errado. É uma clara oposição aos humanos e aos ideais contemporâneos que eles (os humanos) defendem. É também um ataque à industria e às bandas que "sold out", isto é que se venderam e perderam a própria identidade e a "alma" em nome do sucesso e do dinheiro, que são usadas como brinquedos. Creio que a parte em que ele diz "Everybody defamates from miles away But face to face, they haven't got a thing to say" refere-se ao nosso querido filho-da-puta (Fred Durst) assim como a todos que difamam a banda mas que quando a encontram cara a cara cagam-se de medo e nada dizem, pois realmente aquilo que dizem por trás é infundado e serve apenas para os atacar.curiosidade: Esta música foi criada após um encontro de Corey com duas pessoas que eram donos de uma estação de New Jersey, eles queria que o Slipknot fizessem uma música que falasse bem das rádios para seu novo álbum (IOWA), porque os fãs da rádio sempre ligavam e pediam Slipknot, mas eles estavam cansados da velha música "Wait and Bleed". A rádio finalmente teve uma resposta de Corey e marcou o tal encontro. Enquanto o encontro estava acontecendo, Corey permaneceu educado. Quando as duas pessoas perguntaram sobre a "música-amigável", e depois de ouvir tanta merda, as exatas palavras de Corey foram: "Bom, muito obrigado à vocês, mas se vocês me dão licença...VOCÊ PODE CHUPAR A PORRA DO MEU PINTO! EU NÃO DOU A MÍNIMA PARA O QUE VOCÊ OU SUA ESPOSA QUEREM, SE VOCÊS SÃO 555, EU SOU 666!!"Um mês depois saíria a demo de Heretic Anthem.
GentlyEsta música foi escrita pelo Shawn, e fala de como nos refugiamos dentro da nossa mente, dentro do nosso mundo interior e nos protegemos do mundo exterior. Daqueles momentos em que esquecemos um pouco das merdas e das coisas negativas, como uma reflexão, um mundo à parte que só nós conhecemos. O mundo exterior torna-se por vezes tão cruel e doloroso que só dentro de nós podemos encontrar alguma paz e conforto. "Gently, my mind escapes into the relaxing world of pleasure", mas infelizmente mais tarde ou mais cedo temos de deixar o "nosso mundo" e enfrentar a realidade, "Too bad I must always leave it...but that's life". Esta letra foi feita nos tempos do MFKR.
Left BehindNesta música o Corey utiliza diversas metáforas para descrever aquilo que lhe aconteceu. Ele nos fala de um amigo que teve, que nunca realmente o apoiou, nem esteve presente, e que no fundo o deixou para trás e não foi o que deveria ter sido. Ele quer esquecer e afastar da memória essa relação com o falso amigo, o ódio, a traição e a falsidade de que foi alvo, e pode vir a cometer medidas drásticas se ele se tentar aproximar de novo. "I can feel it on my mouth. I can taste you on my fingers. I can hear you like the holy ghost. And kill you if you get too close". No fundo fala de como por vezes as pessoas não são o que dizem e aparentam ser. Diz-nos que é fácil fazer amigos, mas é raro ter bons amigos.
The ShapeEsta música fala da impossibilidade de o Corey ser, seja o que for para alguém, como se tudo o que ele faz é errado, descreve a confusão emocional que isso lhe deixa. É uma música bastante pessoal e pouco direta, ele sente algo muito profundo e forte mas não sabe exatamente o quê, nem sequer sabe porque se sente desta forma daí o fato de ele usar diversas metáforas para se exprimir. Ele parece perder-se dentro da sua mente, naquela parte onde os pensamentos e sentimentos mais obscuros estão guardados e não consegue libertar-se. Penso também que aqui é abordado novamente o conceito do tudo/nada como em várias outras músicas no Cd, mais uma vez ele dá, ou deu, demasiada importância a algum episódio ou alguma pessoa que fez parte da vida dele. Ele fala como se estivesse a contar uma história sobre algo ou alguém já que ele fala em passado, cicatrizes e em recomeçar.
I Am HatedMais uma vez Corey demonstra o ódio que sente por pessoas que se tornam vazias e se vendem pelo dinheiro e por aquilo que é aceitável e desejado pela sociedade, em vez de serem eles próprios e viverem de acordo com aquilo que são e acreditam. Ele não o faz e é odiado por isso e no fundo agrada-lhe essa idéia porque antes ser odiado que não ser verdadeiro, é uma música cheia de esperança e incentivo. É usada várias vezes a palavra "We" o que nos leva a querer que ele sabe que não é o único a se sentir desta forma, levando um pouco mais longe ele descreve de certa forma a relação que tem com os fãs,"(We are) The only answer", mostra uma certa união porque "I AM HATED .YOU ARE HATED .WE ARE HATED". "Now I'm not pretty and I'm not cool But I'm fat and I'm ugly and proud - so fuck you", esta frase revela a essência da música e da maneira de pensar do Slipknot. Não é preciso ser bonito ou popular para existir e viver, cada um deve aceitar aquilo que é e manter-se fiel a si mesmo, e nesta música todos os que não o fazem são o alvo de ódio e raiva, visto que são fracos.
Skin TicketNesta música o Corey fala de como o fato de ele ter nascido e crescido no meio do nada, numa terra chamada Des Moines, fez com que ele fosse sempre visto como nada também, como zero. Ele diz-nos como se sente preso naquela cidade e como isso o faz sofrer. Quando ele diz "Keeping myself alive, through your empathy", ele está a dizer-nos que é a através da nossa compreensão da situação em que ele está, que ele consegue viver.
New AbortionEsta música fala daqueles que vêm de pequenas localidades e que nascem sem uma oportunidade para serem livres e realmente felizes, nascem já mortos. Depois vêem-se obrigados a viverem em realidades próprias, sem ninguém que lhes mostre o caminho a seguir, assim como aconteceu com Corey. Fala de prisão, de como o nosso futuro é completamente controlado, mal nascemos somos condenados a nos tornarmos em mais "um" sem sonhos nem fantasias, somos limitados e catalogados. A letra fala toda por si :"They always say that it's always our fault. Man, it's always the same, if we talk or complain. We only wanna upset the balance". É também um pedido para nós, maggots, mantermo-nos unidos e não termos de suportar a manipulação e as restrições de um mundo que em vez de nos compreender e perceber a nossa natureza, limita-se a julgar-nos e a marginalizar-nos. Mas mesmo assim não nos conseguirão destruir nem mudar, nós somos como somos e temos orgulho nisso, nada nem ninguém poderá manipular aquilo que sentimos, pensamos e a maneira como agimos, nós queremos sim acabar com a harmonia e a paz se ela não existe, se algo não vos agradar levantem e gritem, não se deixem usar e não percam a vossa essência.Por Corey: "Esta é para cada fã nosso, que se sentem desorientados, especialmente os que vieram de pequenas cidades como nós. É basicamente uma nova definição de aborto, pelo fato de esses jovens nascerem com vida, mas isso é tudo que eles têm. Eles não têm chance de um futuro e não têm a chance de se acharem na vida. Eles apenas se adaptam ao meio e ficam estagnados, assim um aborto seria uma melhor opção. Estes são os jovens que a gente vê atirando nas escolas, perdendo a cabeça, sentando nas salas e não tendo onde ir, então este é o meu testemunho para eles, eu sei de onde vocês vieram."
MetabolicMais uma vez Corey fala do pai que nunca conheceu e que nunca esteve presente para o ajudar e apoiar e conta o que sente de uma forma intensa, angustiante e depressiva que me toca bastante. "The hardest part was knowing that I could never be you .Now all I do is sit around and wish I could forget you/Who are you to me? Who am I to you? Where were you when I was down?". Sem a presença de alguém para o guiar, ele enfrentou várias dificuldades, tentou tornar-se como o pai e acabou por criar uma vida dolorosa e sem sentido, sentiu-se só e perdido. Ironicamente, esta "herança" do pai acabou por compensar e tornar-se em algo que ele diz valer a pena viver.Por Corey: "Esta música é basicamente uma Diluted Parte II, é sobre o meu pai. é sobre ser tão enfurecido e ainda tão impotente, porque não há nada a fazer. É sobre aquela hora da manhã que você está sentado na cama e está chorando incontrolavelmente, e você está tentando não sentir, mas tudo o que você pode fazer é sentir, porque cada hora que você fecha seus olhos está lá. É provavelmente uma das músicas mais pessoais que eu já escrevi, apenas pelo fato de que embora eu nunca tenha conhecido meu pai e embora eu não tenha me encontrado com ele, eu me sinto como se estivesse com ele. Eu não tenho idéia de como ele seja, mas as vezes eu fico pensando se estou fazendo as coisas que ele costumava fazer. Isto definitivamente é um saco, é foda, mas foda-se, eu não ligo, porque ninguém me disse quem eu era, porque eu tive que descobrir sozinho.
IowaEsta música é a reformulação da música "Killers Are Quiet", do MFKR, e apesar de a letra ser diferente a idéia é a mesma. Um pouco semelhante ao conceito da "Prostethics" e sendo já um habitual nas letras de Corey, esta fala sobre alguém que coleciona mulheres e recria-as como se fossem objetos, fala de um suposto amor obsessivo e doentio que acaba tendo como fim a morte. "I WILL KILL YOU TO LOVE YOU". Embora este tipo de sentimento nos parece algo improvável, não está muito longe da nossa realidade e olhando um pouco mais além talvez isto seja uma crítica ao dito amor que é proclamado vezes sem fim e que no fundo não passa de um sentimento egoísta e de posse. Uma das músicas mais intensas do Iowa, com um Corey contido e um pouco irônico (acho que devem prestar atenção à forma que ele pronuncia 'love') com um fim arrebatador e insano que nos leva a um ambiente muito macabro e extremo, cheio de fantasias.curiosidade: antes de entrar na cabine para cantar a música, Corey tirou a roupa e se cortou todo. Assim, ele cantou a música toda pelado e sangrando. Corey: "Você pode sentir isso na música."

Significados do 'Subliminal Verses':
Prelude 3.0eles dizem que esse é o final a que todas as coisas chegam. mas não é, haverão mais coisas como diz corey no final.... não não nããão!.. esse não é o final, é apenas o começo!The blister existssobre como tudo que eles falaram nas músicas existisse e fosse parte do trabalho interno da banda.Three nilé sobre como pela terceira vez ele estivesse dizendo que vai se arrepender. e sobre a quantidade de pessoas que estão olhando feio pro corey para ele admitir que está errado, sem ser pego mentindo.a música é muito sobre.. dizer que ele quer que as pessoas parem de agir como se ele as devesse algo, e que ele não pode ajudar as pessoas quando não pode se ajudar.Dualitytaylor explicou a história por trás do primeiro single do disco, 'duality', onde aparece várias vezes a linha 'eu enfiei meus dedos nos olhos':'você já teve uma dor de cabeça que nunca passa, e você acaba apertando os dedos nos olhos, só pra parar a dor?''duality' é sobre estar na encruzilhada de sua vida, olhando para os dois caminhos, e falar 'e agora, o que eu vou fazer?'Opium of the peopleé uma mensagem que está no disco para a banda, então não espere que todas as músicas se relacionem com sua própria vida.Circleessa faixa é difícil. pode ser sobre o passado do corey, ou a banda não queria repetir os erros deles e dos outros como eles cometeram.na música ele diz razel... razel... razel é um personagem que só se fode. sua vida passa muito rápido, e acho que corey fala de si mesmo usando o personagem. Welcomeé o hino do disco contra uma fonte externa.basicamente para todas as pessoas que tentaram usar a banda para ganho pessoal e os abandonou quando falaram coisas desconfortáveis sobre um terceiro disco da Roadrunner, falando que eles não eram hábeis para fazer algo sério.Vermillionacho que vermillion pode ser o jeito que corey descreve o que ele sentia ou sente por sua esposa. sobre como ele finalmente encontrou alguma coisa em sua vida... e não dá pra descrever. é especial para ele, mas difícil.. e no final, o quanto mais a obcessão começa a crescer em você, começa a mostras coisas sobre sua personalidade que você não tinha antes... você briga... discorda e a pessoa perfeita que pensou que era antes... não é tão perfeita mais... e ele não sabe lidar com isso.Pulse of the maggotsa música é para os fãs, para que eles saibam que a banda ainda se importa e nunca vai estar tão presa em si mesma para esquecer dos fãs.o hino do terceiro cd, uma música dedicada a nós e mais uma vez dizendo que por mais que eles sumam por uns tempos, ainda estarão aqui pelos fãs, não importa o que digam.Before i forgeta 'volta às origens' do disco. é sobre tentar fazer a si próprios entender que eles perdem um pouco de si mesmos com o profissionalismo.também acho que é sobre como corey ainda era tão jovem e confuso quando começou com isso tudo. e ele diz que nunca teve a chance de fazer o que queria e não vai esquecer disso.Vermillion part 2é a assustadora continuação da história de 'vermillion', com guitarras acústicas, violinos e a dor do vocalista corey taylor. a melodia e o tema são os mesmos nas duas versões, fazendo delas partes de um quebra cabeça complexo. 'a diferença entre as duas é sutil. 'vermilion pt 1 é sobre se rasgar, e a expectativa e o nervosismo", diz corey. "'part 2' é o que vem depois, as peças que juntamos mais tarde, e talvez a culpa por termos que viver nisso".The namelessé sobre como corey ter gostado de coisas repugnantes por muito tempo. provavelmente sua idéia antiga da banda.Virus of lifeé sobre como corey tocou a vida de tantas pessoas sem elas saberem. é também um elogio daqueles que ele tocou, e acho que é sobre como as pessoas não se preocupam com seus problemas, e toda essa raiva, medo, e sobre como tudo está desmoronando.Danger, keep awayé sobre como a banda quer ter certeza de que eles não chegaram até esse ponto onde o tempo é o que os mantém unidos.Screamminha interpretação para 'scream' é basicamente: como eles passaram por tudo para serem reconhecidos, como tudo que sacrificaram valeu a pena, e que nada vai mudar o que eles são.

4 de fev de 2008


Acho que a Maioria de vcs Maggots assim como Eu ja ouviram falar em algum lugar que o Corey disse que esse novo álbum do Slipknot poderia ser o último, na entrevista abaixo o Paul Gray disse que todos da banda estão se dando muito bem pelo visto talvez a banda não acabe e esteja com mais chances de continuar =D

Só nos resta esperar para ver no que vai dar !

3 de fev de 2008

Roadrage DVD


A Roadrunner Records do Reino Unido definiu como 3 de Março a data do lançamento do já tradicional DVD 'Roadrage', com uma extensa variedade de lançamentos musicais do ano de 2007.O disco que foi originalmente lançado, ano passado, via Play.com, este ano será disponibilizado em locais como ZAVVI, HMV e Amazon.co.uk.O DVD contém videoclipes do Stone Sour (banda paralela de Corey Taylor e Jim Root), 'The Blister Exists (live)' do Slipknot e muitas outras bandas de peso do selo Roadrunner Records.Tracklist do DVD:
01. Stone Sour – Made Of Scars
02. Stone Sour – Through Glass
03. Stone Sour – Sillyworld
04. Killswitch Engage – My Curse
05. Killswitch Engage – Arms Of Sorrow
06. Trivium – Anthem (We Are The Fire
07. Trivium – Entrance Of The Conflagration
08. Trivium – The Rising
09. Machine Head – Aesthetics Of Hate
10. Dream Theater – Constant Motion
11. Megadeth – A Tout Le Monde
12. Slipknot – The Blister Exists (Live)
13. Porcupine Tree – Fear Of A Blank Planet
14. Still Remains – Stay Captive
15. DevilDriver – Not All Who Wander Are Lost
16. Madina Lake – House Of Cards
17. Madina Lake – Here I Stand
18. Cradle Of Filth – Temptation
19. Shadows Fall – Redemption
20. Sanctity – Beneath The Machine
21. Daath – Subterfuge
22. 3 Inches Of Blood – The Goatrider’s Horde
23. Satyricon – The Pentagram Burns
24. Black Stone Cherry – Lonely Train
25. Black Stone Cherry – Hell & High Water
26. Caliban – I Will Never Let You Down
27. Black Label Society – Concrete Jungle
28. Black Label Society – Blood Is Thicker Than Water
29. Hatebreed – Defeatist
30. Nickelback – Savin’ Me
31. Nickelback – If Everyone Cared
32. Delain – Frozen
33. Delight – Divided
34. Pain – Zombie Slam

Show do projeto paralelo 'Dirty Little Habbits'

O percussionista Shawn "Clown" Crahan e sua outra banda, Dirty Little Rabbits, se apresentará dia 18 de Janeiro no House of Bricks em Des Moines, IA.Informações:January, 18 2008 at House of Bricks525 East Grand Ave, Des Moines, Iowa 50309Cost : $6.00Show time: 9:30BANDS: if ever was a fire, Dirty Little Rabbits, TaciturnAges: 21 & Up Brasileiros que moram nos Estados Unidos terão uma grande chance de conhecer o trabalho da banda!

Matéria traduzida do Slipknot na 'Kerrang!'


Matéria traduzida da entrevista que Paul Gray deu a Kerrang!
Na matéria, Paul Gray falou sobre o novo álbum da banda e a relação entre os membros da mesma. Confira abaixo:
Como está o progresso do novo álbum?
“Nós estamos muito no inicio do processo, não temos nenhum título e nem nada disso, mas escrevemos sete canções e já tivemos muitas idéias. Mas tudo o que fazemos é pesado e quente como o inferno!
As músicas são completamente diferentes, mas continua sendo o Slipknot.
O Corey tem cerca de 200 letras já escritas, e isso vai diminuir muito o trabalho do resto da banda.”
O Subliminal Verses foi bem mais eclético que os álbuns anteriores; vocês vão fazer algo diferente mais uma vez?
“Nós não queremos ter nenhum limite. O Corey tem uma voz maravilhosa e queremos explorá-la para mostrar todo o seu talento, em diferentes formas. Isso não quer dizer que iremos fazer um álbum mais leve, até porque tudo o que escrevemos até agora foi bem pesado.”
Quem está produzindo o disco?
“Ainda estamos decidindo quem o fará, mas estamos conversando com o Dave Fortman (Mudvayne, Evanescence) e tem possibilidade até de escolhermos o Sean Beavan (Nine Inch Nails).”
Você gravou o último álbum do Slipknot em uma enorme mansão em LA – onde você planeja gravar esse novo trabalho?
“Nós temos muitas idéias, e se formos trabalhar com o Dave Fortman, sabemos que tem um estúdio muito bom em New Orleans. Mas também pensamos em gravar aqui mesmo em Iowa. Nessa época, qualquer lugar dos EUA é muito frio, exceto aqui – e acredito que todos se sintam mais a vontade em escrever e trabalhar com um clima e uma temperatura razoável. Além de tudo, nos sentiremos em casa, quando terminamos o último disco já havíamos cogitado essa idéia, podemos levantar as quatro da manhã e começar a compor, escrever, ter idéias e etc.”
E como está o clima no Slipknot atualmente?
“Eu acho que estamos nos dando muito melhor agora do que antigamente. Todos nós temos ajudado uns aos outros nesses últimos dias. Quando éramos mais novos, éramos muito mais intolerantes. Agora somos muito mais compreensíveis e fica muito mais fácil de trabalhar dessa maneira.”
Você já teve alguma idéia de fotos promocionais e até mesmo das novas máscaras para esse novo álbum?
“Nós já estamos pensando nisso, e tivemos algumas idéias... tudo está indo para um caminho diferente – repito, continuará sendo o Slipknot, mas com algumas mudanças.”

Muitas pessoas querem que vocês façam algo do estilo do segundo álbum, o que você tem a dizer para essas pessoas?
“É engraçado, mas eu realmente não me importo com isso. Eu sei que existem verdadeiros e fieis fãs do Slipknot, que vão nos apoiar seja lá o que fizermos, e as pessoas que odiarem? Estou pouco me fod**do. Monte uma banda. Se você acha que pode fazer melhor, então faça.”

Scan da matéria do Slipknot na 'Kerrang!' de Janeiro


O Slipknot é a capa da revista britânica 'Kerrang!' de Janeiro que traz uma entrevista com Paul Gray, baixista da banda, falando sobre o processo de gravação do novo CD, com lançamento previsto para o segundo semestre de 2008.De acordo com a revista, o novo album do Slipknot seria lançado precisamente no dia 11 de Agosto de 2008, fato esse desmentido pela banda em seu website oficial.Só nos resta aguardar alguma informação oficial da banda.

2 de fev de 2008

Curisiodades Básicas Slipknot


*Para quem não sabe o SLIPKNOT foi criado por Shawn Crahan(que hj é percussionista) e pelo ex-vocalista Anders Colsefni.Eles começaram a carreira em Iowa,no ano de 19995.Depois de Anders ter saído ,Sid,Joey,Paul,Chris,Shawn,James,Mick, e Craig tiveram que correr atrás de um vocalista.Corey Taylor,que dividia o tempo entre o trabalho em um sex shop e o vocal na banda Stone Sour ,foi o escolhido.



*Um dos grandes diferenciais da Banda .ás máscaras sinistras,foi idéia de Shawn. O cara entrou em um dos ensaios do Slipknot com uma máscara de palhaço e pronto,todos curtiram e foram atrás de suas próprias.Além das máscaras ,cada um deles acabou se tornando conhecido por números.



*O primeiro álbum deles o Mate Feed Kill Repeat teve mil cópias produzidas e era distribuído nos shows da Banda.

Hoje esse Cd é super procurado pelos fãs.Tanto é que uma cópia de Mate feed kill repeat ,foi vendida por 627 dólares em um leilão de um site de vendas norte-americano. A força do som e atitude demonstrada nos shows do Slipknot fez com que o reconhecimento não viesse somente do público enfurecido que lota seus shows.Em 2006.os mascarados ganharam o Grammy de melhor Perfomace de Metal por Beforei Forget, a música cujo clipe traz os integrantes sem máscaras ,mas também sem mostra o rosto.


*Os shows do Slipknot são um capítulo á parte na história do grupo.No palco, a banda não poupa energia:além de demonstrar vigor,raiva e um som pra lá de competente ,alguns dos integrantes se empolgam bastante, quase como num transe maluco.Alguns deles também "brigam"entre si,o que faz com que o público fique alucinado!



*Entre o estouro da banda até a consagração do público,houve um pause.Em 2001, o Slipknot deu uma parada e cada um dos integrantes cuidou de sua vida e projetos.Nessa fase ,o vocalista Corey cômpos Bother ,que é uma das faixas do filme Homem-Aranha.


*Slipknot surgiu numa cidade localizada no meio do nada,conhecida como "buraco negro" e onde só existem porcos e plantações de milho.A cidade em questão chama-se Des Moines e fica no estado Americano de Iowa.



*Slipknot é um tipo de nó.



*Ás máscaras não servem para esconder o rosto ,mas para mostrar o interior de cada membro que vê nela o espelho de sua alma.Existe também uma influência densta na intensidade da música ,quanto mais agressivo o som,mais desconfortáveis elas são.


*Slipknot tem seu próprio selo que se chama "Maggots Recordings"



1 de fev de 2008

História
Em 1995, com a reunião de nove moradores da cidade de Des Moines, Iowa, surgiu a banda Slipknot.
A primeira apresentação foi feita na casa noturna Runaway, na época o único local na cidade a aceitar o som pesado do heavy metal. Nessa época Shawn Crahan levou, por brincadeira, uma máscara de palhaço ao ensaio. Os outros membros acabaram gostando da idéia e adicionaram o macacão como novo elemento da fantasia.
Com influências de Black Sabbath, Slayer e Sepultura, a banda seguiu o fluxo de bandas de metal alternativo que surgiram após o Korn. Ganharam destaque devido a capacidade musical e também pela aparência dos integrantes, trajados de máscaras horripilantes e macacões industriais. Os críticos achavam a aparência da banda ridícula.
Outra marca da banda desde o início, é ter dado o "carinhoso" apelido de maggots (algo como "vermes") aos fãs. As letras da banda sempre foram niilistas, sombrias, raivosas e melancólicas, o que estava em alta no mercado musical da época.
O primeiro álbum da banda na Roadrunner é Slipknot, que elevou a banda a um novo patamar. Produzido por Ross Robinson, este álbum é considerado por muitos, um dos melhores na área do metal e do rock pesado em geral[carece de fontes?]. Ross na época também era produtor de bandas como Korn, Limp Bizkit e Sepultura. Após o lançamento, a banda fez apresentações incessantemente para conseguir arrebatar mais “maggots”, o que culminou na apresentação do grupo no Summer Ozzfest em 1999, onde tocaram para um número bem maior de pessoas e conseguiram um grande número de fãs. No mesmo ano foi lançado o VHS Welcome to our Neighborhood.
Em agosto de 2001 é lançado o segundo álbum oficial da banda, o Iowa, apesar da expectativa o álbum não fez o mesmo sucesso que o antecessor, mas ajudou o Slipknot a aumentar a sua popularidade com músicas como People = Shit, Left Behind, The Heretic Anthem e My Plague que fez parte da trilha sonora do filme Resident Evil: O hóspede maldito. No ano seguinte a banda gravou o seu 1° DVD ao vivo: Disasterpieces gravado em Londres, o show contou com tudo de bom que o Slipknot pôde apresentar tocando suas músicas clássicas, um dos melhores do gênero.
Depois disso rolaram boatos que o Slipknot estava no fim, o quê preocupou os fãs da banda, mas o vocalista Corey Taylor tratou de desmentir tudo isso e prometeu que um novo álbum estava à caminho, em maio de 2004 é lançado o 3° álbum do grupo, o tão elogiado Vol.3: The Subliminal Verses, esse novo álbum apresentou um novo Slipknot, com novas máscaras e um som ainda melhor, o álbum não foi muito recebido pelos velhos fãs da banda, acusando os integrantes de terem se vendido tocando músicas mais calmas e no violão como Circle e Vermilion pt.2, o fato é que o Slipknot se tornou ainda mais popular, a banda mostrou que têm técnica e fazendo turnês arrebatadoras o Slipknot se tornou uma das maiores bandas que surgiu nesse novo século e uma das maiores bandas de metal do mundo.


Slipknot é uma banda de new metal dos Estados Unidos formada em 1995. Seus álbuns e DVDs atingiram a platina, com indicações ao Grammy nas categorias "Melhor Heavy Metal" e "Melhor Hard Rock" para canções de três dos seus álbuns. Em 2006 a banda ganhou o Grammy para "Melhor Desempenho de Metal" pela sua canção "Before I Forget".
O Slipknot é muito respeitado no seu gênero musical, atraindo milhares de fãs ao redor do mundo e é considerada uma das bandas com melhor performance ao vivo.


Integrantes

Formação atual
#0 - Sid Wilson - DJ
#1 - Joey Jordison - bateria
#2 - Paul Gray - Baixo
#3 - Chris Fehn - Percussão e Vocal de apoio
#4 - James Root - Guitarra
#5 - Craig Jones - Sampler e Teclado (música)
#6 - Shawn Crahan - Percussão e Vocal de apoio
#7 - Mick Thomson - Guitarra
#8 - Corey Taylor - Vocal

Anteriores
Anders Colsefini - Vocal e percussão
Greg "Cuddles" Welts - Percussão
Josh "Gnar" Brainard - Guitarra e vocal de apoio
John Green - Guitarra
Quan "Meld" Nong - Guitarra
Patrick M. Neuwirth - Guitarra
Donnie Steele - Guitarra




Videografia

DVD
1999 - Welcome To Our Neighborhood - com 2 clips de estudio e um ao vivo. Faixas: "Surfacing (Live)", "Spit it out" e "Wait and Bleed", além de uma faixa bônus, além de apresentações de cada integrante.
2002 - Disasterpieces
2006 - Voliminal: Inside the Nine

Videoclipes
"Spit It Out"
"Wait and Bleed"
"Wait and Bleed (claymation)"
"My Plague (New Abuse Mix)"
"Left Behind"
"Vermilion"
"Vermilion Pt. 2"
"Before I Forget"
"Duality"
"The Nameless"
"The Blister Exists"

Bootlegs

Bootlegs
2000 - Massaker
2000 - Live In Manchester
2000 - Requiem 2000
2000 - Live In Dynamo
2001 - Clan


Bootlges para quem não sabe são gravações não-autorizadas de áudio ou vídeo do trabalho de um artista ou banda musical,podendo serem realizadas diretamente de um concerto ou de uma transmissão via rádio/televisão .Estes últimos podem incluir entrevistas materiais inéditos ,que foram descartados por serem considerados inadequados para um produto comercial,bem como passagens de som,ensaios , etc.

Álbuns ao vivo


Até hj a banda Slipknot lançou apenas 2 Álbuns Ao Vivo o 9.0 live cm vcs podem ver abaixo e o Disasterpieces

Faixas


MyPlague
Lefts Behind (Director's Cut)
Wait and Bleed
Wait and Bledd (animated)
Spit It Out

Álbuns Slipknot Lançados


Faixas

CD 1
"The Blister Exists"
"(sic)"
"Disasterpiece"
"Before I Forget"
"Left Behind"
"Liberate"
"Vermillion"
"Pulse of the Maggots"
"Purity"
"Eyeless"
"Drum Solo"
"Eeyore"

CD 2
"Three Nil"
"The Nameless"
"Skin Ticket"
"Everithing Ends"
"The Heretic Anthem"
"Iowa"
"Duality"
"Spit it Out"
"People=S#!t"
"Get This"
"Wait and Bleed"
"Surfacing"

Álbuns Slipknot Lançados


Vol. 3 The Subliminal Verses



Faixas
"Prelude 3.0" – 3:57
"The Blister Exists" – 5:19
"Three Nil" – 4:48
"Duality" – 4:12
"Opium Of The People" – 3:12
"Circle" – 4:22
"Welcome" – 3:15
"Vermilion" – 5:16
"Pulse of the Maggots" – 4:19
"Before I Forget" – 4:38
"Vermilion Pt. 2" – 3:44
"The Nameless" – 4:28
"The Virus of Life" – 5:25
"Danger - Keep Away" – 3:16

Disco bônus
"Don't Get Close" – 3:47 (lado B)
"Scream" – 4:31 (lado B)
"Vermillion (Terry Date Mix)" – 5:25
"Danger: Keep Away" – 7:55 (versão completa)
"The Blister Exists" – 5:17 (ao vivo)
"Three Nil" – 4:57 (ao vivo)
"Disasterpiece" – 5:25 (ao vivo)
"People = Shit" – 3:54 (ao vivo)


Iowa (2001)



Faixas
1)(515)
2)People = Shit
3)Disasterpiece
4)My Plague
5)Everything Ends
6)Heretic Anthem
7)Gently
8)Left Behind
9)Shape
10)I Am Hated
11)Skin Ticket
12)New Abortion
13)Metabolic
14)Iowa

Álbuns Slipknot Lançados



Slipknot Álbum




Faixas




1)742617000027
2)(Sic)
3)Eyeless
4)Wait and Bleed
5)Surfacing
6)Spit It Out
7)Tattered and Torn
8)Frail Limb Nursery
9)Purity
10)Liberate
11)Prosthetics
12)No Life
13)Diluted
14)Only One
15)Scissors
16)Me Inside (Bonus)
17)Get This (Bonus)
18)Interloper (Bonus)
19)Despise / Eeyeore (Bonus)

Álbuns Slipknot Lançados




Slipknot






1)742617000027



2)(sic)



3)Eyeless



4)Wait and Bleed



5)Surfacing



6)Spit it Out



7)Tattered and torn



8)Frail limb Nursey



9)Purity



10)Liberate



11)Prosthetics



12)No life



13)Diluted



14)Only One



15)Scissors



16)Me inside



17)Get this die



18)Interloper



19)Despiser/Eyeore

Álbuns Slipknot Lançados




Mate Feed Kill Repeat (1996)




Faixas




1)Slipknot


2)Gently


3)Do Nothing/Bitchslap


4)Only One


5)Tattered and torn


6)Confessions


7)Some Feel


8)Killers are quiet /Dogfish Rising